Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Visita à Casa de José Saramago

por Os bloggers, em 16.11.17

Hoje, 16 de Novembro, a data de aniversário do "nosso" Nobel da Literatura José Saramago, recordamos o dia em que visitámos "A Casa", forma como é conhecida a casa que foi o refúgio de Saramago desde 1993 até à sua morte, em Tías na ilha de Lanzarote.

_DSC7882.jpg

Terá sido em Maio de 1991 que Saramago e Pilar se deslocaram a Tenerife para uma conferência, aproveitando a viagem, foram até Lanzarote para visitar os cunhados de Pilar e terá sido nessa ocasião que Saramago se deslumbrou com a paisagem da ilha. Nesse momento, Saramago e Pilar decidiram fixar a residência naquele local construindo a Casa e mais tarde a biblioteca.

"A Casa" de Saramago abriu ao público 9 meses após a sua morte, obedecendo à lógica poética do romance da sua autoria "O Ano da Morte de Ricardo Reis", onde a personagem Ricardo Reis tem uma conversa com Fernando Pessoa, que está morto, e lhe explica que são precisos nove meses para que os vivos se esqueçam dos mortos.

_DSC7864.jpg

A visita é feita com o auxílio do áudio-guia que, pelos textos criados por Pilar, nos relata pormenores da vida profissional e pessoal de Saramago, à medida que vamos avançando pelas divisões da casa.

 

A Sala

Antes de entrarmos na sala, passamos pelo hall de entrada onde, entre muitos objectos e pinturas, é possível ver um relógio que está parado nas 16h, hora em que Saramago conheceu Pilar.

A sala era lugar de descanso, com uma janela com vista para o mar que rodeia a ilha, que para Saramago e recordando palavras de César Manrique, era "a melhor obra". As paredes são revestidas com quadros relacionados com as suas obras.

_DSC7833.jpg

 

O Escritório

Foi sobre a mesa de pinho que ainda hoje lá está que escreveu as obras "Ensaio sobre a cegueira" e "Os Cadernos de Lanzarote". Em frente à secretária num móvel de madeira mexicana, estão retratos dos seus avós, pais, da sua filha, dos netos e da esposa. Na parede está uma cópia do Prémio Nobel.

_DSC7828.jpg_DSC7830.jpg_DSC7825.jpg

 

O Quarto

Foi aqui que no dia 18 de Junho de 2010, após tomar o pequenos almoço e ter voltado para a cama para descansar mais um pouco, acabou por descansar para sempre, com a mesma simplicidade que pautou a sua vida.

_DSC7840.jpg

 

A Cozinha

Para Saramago, a cozinha era um local de convívio, por vezes trabalho, tertúlias prolongadas, um local onde gostava de receber os seus amigos. Nesta cozinha passaram algumas figuras muito conhecidas como Mário Soares, José Luis Rodríguez Zapatero, Bernardo Bertolucci, Susan Sontag, Juan Goytisolo, Carlos Fuentes, Álvaro Siza Vieira, Ángeles Mastretta, Pedro Almodóvar, entre outros.

Podemos admirar peças que Saramago foi adquirindo nas suas viagens pelo mundo e como Saramago faria, somos convidados a beber um saboroso café português, que bem que nos soube!

_DSC7843.jpg_DSC7844.jpg

 

O Jardim

O jardim pode-se dizer que deu alguma luta, o solo necessitou de algum trabalho e foi preciso transportar terra para aquela zona para que Saramago pudesse dar início ao seu Jardim. Começou pelas palmeiras porque são nativas, pinheiros canários, uma romãzeira de Granada e dois marmeleiros. Depois continuou com um Olmo, uma sobreira cuja semente Saramago levou de Portugal, duas oliveiras portuguesas e duas oliveiras andaluzas. Era aqui que se costumava sentar e "gostava de sentir o vento, saber-se vivo, olhar o mar, pensar que o mundo pode ter remédio, que a humanidade que trazemos em nós deve prevalecer sobre a maldade".

_DSC7846.jpg_DSC7858.jpg_DSC7861.jpg

 

A Sala de Reuniões

Foi pensada inicialmente para as reuniões da direcção da Fundação José Saramago, no entanto, a Fundação tem a sua sede em Portugal. Acabou por servir mais de sala de refeições quando os encontros se prolongavam ou de sala de conferências.

Nas paredes da sala é possível admirar algumas obras de arte como uma gravura do Prémio Nobel de Literatura Gao Xingjian, um desenho de Alberti ou uma paisagem da Islândia de Ildefonso Aguilar, país pelo qual Saramago sentia grande afecto.

_DSC7819.jpg_DSC7820.jpg

 

A Biblioteca

"Uma casa feita de livros" era a descrição que Saramago fazia da sua casa. Segundo as suas palavras "esta biblioteca não nasceu para guardar livros, mas sim para acolher pessoas" e os livros, há que abri-los com cuidado, porque têm dentro o autor, com toda a sua sensibilidade, com tudo o que o fez ser único e irrepetível.

Aqui, por trás da sua cadeira, está um quadro do pintor checo Jiri Dokoupil, que retrata o casal em desenhos feitos com fumo de vela e tinta amarela. A biblioteca conta um acervo de cerca de 16 mil livros, entre outros objectos e muitas fotografias. 

_DSC7868.jpg_DSC7866.jpg

 

A Oliveira

Esta oliveira fez a viagem de avião num pote entre as pernas de Saramago. Não se sabia se ia resistir ao solo árido da ilha mas esta oliveira alentejana provou que se aguentaria e apresenta-se frondosa e verde. Hoje, recebe os visitantes desta fantástica casa museu!

_DSC7879.jpg

 

A Casa está aberta de segunda-feira a sábado das 10h às 14h e os bilhetes custam 8€.

Fizemos a visita no último dia de férias mesmo antes de ir para o aeroporto e adorámos, os textos do áudio-guia transportam-nos para o dia-a-dia de Saramago, como se estivessemos a passar uma manhã na casa de um amigo.

Se puderem, não percam a oportunidade de visitar.

Bons passeios!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Novo gadget cá em casa

por Os bloggers, em 10.11.17

Adoramos gadgets e quando temos algum novo cá por casa, parecemos umas crianças com um brinquedo novo!

Como este é um gadget que também vai servir para alimentar o blog, achámos que o devíamos "apresentar" aos nossos leitores.

Trata-se de uma nova máquina fotográfica para fazer companhia à "velhinha" Sony Nex 5R. Apesar de já termos bastante material Sony, decidimos adoptar uma nova marca e a escolha foi o kit Olympus Om-d e-M10 Mark II com a lente M.Zuiko Digital Silver14-42mm f/3.5-5.6 ED EZ. 

DSC03681.jpg

Apesar de estar na moda, não fizemos nenhum vídeo de unboxing, a ansiedade para a ter nas mãos era demasiado grande e isso iria atrasar o momento, limitámos-nos a tirar algumas fotos.

A caixa preta onde vem a máquina e todo o material que a acompanha, tem um aspecto premium e o cartão de que é feita tem um toque suave! Lá dentro, a lente e máquina estavam bem acomodadas nos respectivos compartimentos e dentro de uns sacos pretos. O restante material, carregador e cabo de alimentação, bateria, cabo usb e livros de instruções, vinham dentro de pequenas caixas que em conjuntos formavam os espaços para a lente e a máquina. 

DSC03684.jpgDSC03685.jpgDSC03686.jpg

Uma das vantagens desta máquina em relação à Sony Nex é que possui estabilizador no próprio corpo, o que permite utilizar lentes de sistemas mais antigos e obter resultados mais satisfatórios. No entanto, é um pouco mais pesada, o que para caminhadas longas como costumamos fazer, já pode fazer alguma diferença.

Do pouco que já "brincámos", as impressões são boas, os botões de acesso rápido estão bem localizados e tem uma boa ergonomia que se ajusta bem à mão, no entanto, os menus são mais confusos do que a Sony e as rodas selectoras também não são muito práticas, demora algum tempo até que nos habituemos.

IMG_20171106_221511.jpg

Entretanto durante a semana chegaram mais alguns mimos para ela e já está pronta para ir para o "campo" devidamente protegida para um teste a sério. Esperamos trazer-vos em breve algumas fotos feitas com ela.

Bons passeios e bom fim de semana!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Maurícias, é um prazer!

por Os bloggers, em 09.11.17

No último post apresentámos as Maurícias, hoje vamos relatar as nossas férias nesta bonita ilha.

DSC01793.jpg

Porquê as Maurícias? Foi o local que escolhemos para a nossa lua-de-mel… Queríamos ir para um sítio paradisíaco, mas que nos permitisse fazer outras actividades para além de praia. As Maurícias conseguem reunir na perfeição os dois mundos. E lá fomos nós!

DSC01896.jpg

Partimos de Lisboa na Turkish e depois de 14 horas no ar, com uma escala em Istambul pelo meio, chegámos às Maurícias. Há também a possibilidade de viajar pela Emirates (escala no Dubai), na Air France (escala em Paris) ou através de voos charters a partir de Madrid. Portanto, podem escolher o que mais vos agradar; nós optámos por escolher a viagem com escalas mais curtas.

IMG_20170918_161526.jpg

O aeroporto, a Este da Ilha, fica a cerca de 1 hora de carro de Flic-en-Flac (a zona que escolhemos para a estadia). Pelo caminho, no transfer, fomos apreciando o verde da ilha e os vastos campos de canas-de-açúcar. As estradas são razoáveis e da influência Inglesa ficou a condução à esquerda.

DSC01166.jpg

Chegámos ao início da tarde ao Sugar Beach, em Flic-en-Flac. Fomos recebidos com simpatia e desde logo nos cativou o ambiente do Resort, virado para o mar, apresentando dois edifícios de maiores dimensões e duas zonas com casinhas mais pequenas, para onde fomos levados. O Sugar Beach apresenta 2 piscinas, 3 restaurantes, um spa, um ginásio, sala de conferências e está literalmente em cima da praia. Sendo a Oeste da ilha, é possível apreciar quase diariamente um maravilhoso pôr-do-sol sobre o mar. Um mar paradisíaco, de água transparente e quente, rodeado por uma barreira de corais. IMPERDÍVEL!

O Sugar Beach situa-se na costa Oeste e sensivelmente a meio da ilha, o que permite uma deslocação relativamente fácil para qualquer ponto. Dedicaremos brevemente um post em exclusivo ao hotel.

DSC01184.jpgDSC01183.jpg

Durante a nossa estadia fizemos 2 visitas pela ilha – fomos ao Casela Park e fizemos uma excursão pelo Sul das Maurcícias, onde se encontram a maioria das atracções.

O Casela Park – World of Adventures é um parque natural (muito perto de Flic-en-Flac), onde se podem desenvolver várias actividades, nomeadamente contactar com animais selvagens e fazer um safari. Gostámos muito! Em breve contaremos tudo sobre este bonito e agradável local.

 

Na nossa tour pelo Sul da ilha, que comprámos através do operador de viagens, visitámos:

- Cascata de Chamarel: cascata com cerca de 100 metros (maior do que a Estátua da Liberdade), relacionada com a origem vulcânica da ilha e rodeada por uma luxuriosa vegetação, produzindo um cenário muito bonito.

DSC01551.jpgDSC01567.jpgDSC01560.jpg

 

- Terra das 7 Cores: é um local único onde a natureza conferiu 7 cores à terra ondulada do local, produzindo uma paleta de cores invulgar e de rara beleza. Aqui é também possível conhecer algumas gigantes e centenárias tartarugas.

DSC01581.jpgDSC01597.jpgDSC01601.jpg

 

- Rhumerie de Chamarel: neste local produz-se rum de forma artesanal; aqui visitámos a fábrica de rum, ficámos a conhecer a história e características desta bebida e fizemos uma degustação de vários tipos de rum (díficil!). Foi também neste local que almoçámos. O almoço foi de comida tradicional, que tem sem dúvida uma forte influência indiana.

DSC01606.jpgDSC01614.jpgDSC01610.jpgDSC01617.jpgDSC01618.jpg

 

- Grand Bassin: trata-se de um lago considerado sagrado pelos Hindus e em que em seu redor se ergueu um Templo Hindu, onde se presta homenagem a Lord Shiva. É aqui que anualmente acontece o maior festival Hindu fora do território indiano. À entrada no local somos recebidos por uma enorme estátua de Shiva e de Parvati – mulher de Shiva e Deusa da Fertilidade (a estátua de Parvati foi concluída no dia anterior à nossa visita!). Neste local, para além de apreciarmos o lago, o Templo e os seus Deuses, pudemos também contactar com macacos selvagens que por ali andavam.

DSC01649.jpgDSC01655.jpgDSC01662.jpgDSC01668.jpgDSC01681.jpgDSC01691.jpg

 

- Trou aux Cerfs: cratera do vulcão que deu origem à ilha. É um local bonito, geologicamente importante, mas nada de transcendente, comparando com a beleza de outros locais da ilha.

DSC01695.jpgDSC01709.jpgDSC01710.jpg

 

Para além destes locais passámos noutros pontos estratégicos, como Le Morne, com bonitos miradouros sobre o mar ou para o interior da ilha.

DSC01536.jpgDSC01539.jpg

A ilha não tem só belas paisagens, as Maurícias têm também uma cultura própria. Num dos espectáculos produzidos no Sugar Beach pudemos contactar com os ritmos do Séga. O Séga é uma dança tradicional na ilha, originalmente interpretada por escravos, mas dotada de alegria, que chegou aos dias de hoje como um dos símbolos culturais das Maurícias. Para a produção da música são utilizados instrumentos tradicionais, que soferam adaptações ao longo dos tempos; as vestes são também típicas e coloridas.

IMG_20170920_212953.jpgIMG_20170920_213213.jpg

Nos próximos post's iremos mostrar mais algumas paisagens e contar mais algumas experiências que tivemos na ilha, fiquem atentos!

Bons passeios!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Maurícias, um paraíso no Índico

por Os bloggers, em 08.11.17

Maurícias, Maurícia, Maurício ou República Maurícia… é um país insular no Oceano Índico, no hemisfério Sul, perto de Madagáscar e das Seicheles, sem se afastar muito do continente Africano (ao qual pertence).

DSC01710.jpgDSC01159.jpg

Descoberta por Portuguesas em 1505 (no glorioso tempo das caravelas), a ilha foi colonizada no final do século XVI por holandeses, numa altura em que os únicos habitantes da ilha eram os Dodos (hoje símbolo da ilha, apesar de extintos). Depois de vários anos sobre domínio Francês e posteriormente Inglês, é um país independente desde 1968. A língua oficial é o Inglês, embora na realidade a população fale essencialmente Francês e o Crioulo que é muito parecido com o Francês.

O clima é tropical e a temperatura pouco oscila com as mudanças de estação; genericamente o Inverno é mais seco e o Verão mais chuvoso (embora ligeiramente mais quente). O primeiro trimestre de cada ano é o período mais chuvoso, apesar de ser Verão.

DSC01695.jpgDSC01890.jpgDSC01168.jpg

Esta jóia do Índico é verdejante e conserva a sua essência e genuinidade. A origem vulcânica e as praias paradisíacas (protegidas por uma quase intacta barreira de corais) marcam a paisagem. Pelas estradas vêem-se vastos campos de cana-de-açúcar – um dos principais meios de sustentação da ilha, a par do turismo cada vez mais crescente. As tartarugas, os macacos selvagens e os gigantes morcegos da fruta fazem as delícias dos turistas; bem como a flora muito característica e alguns parques naturais.

DSC01603.jpgDSC01684.jpgDSC01767.jpg

O povo é simpático e transmite felicidade. Segundo apurámos, o ensino (até ao secundário) e a saúde são gratuitos, o que permite que a população se instrua e viva com condições razoáveis. As universidades são todas privadas, por isso muitos terminam os seus estudos a nível do secundário. Apesar do ordenado mínimo ser baixo, não há praticamente desemprego e as famílias vivem em comunidade – avós, pais, filhos, netos… pertencem ao mesmo agregado familiar gerindo recursos em conjunto. As casas são baixas e muitas com aspecto inacabado… o tempo sempre ameno não obriga a grande protecção do frio e do calor extremos (que não existem). Contudo nas cidades também é possível encontrar prédios com influência Europeia.

O país é ligeiramente mais pequeno do que o Luxemburgo e tem cerca de 1,2 milhão de habitantes; a capital é Port Louis, a Norte da ilha.

Há imensas religiões na ilha; a religião maioritária é a Hindu, seguida pela Católica. A influência Hindu está bem patente nalguns belos templos existentes nas Maurícias.

DSC01689.jpg

A moeda utilizada é a Rúpia das Maurícias, mas nalguns sítios poderão ser aceites euros.

Foi em Setembro deste ano que fomos conhecer a República Maurícia. Após uma pesquisa pela Web concluímos que por ser Inverno o local mais recomendado para as férias seria o Oeste da ilha, mais quente e seco, e foi assim que seleccionámos a zona de Flic-en-Flac e o Resort Sugar Beach para as nossas férias.

DSC01798.jpg

A ilha está apresentada, não percam os próximos capítulos, onde vamos relatar a nossa experiência!

Bons passeios!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

A Volvo Ocean Race está de volta!

por Os bloggers, em 26.10.17
 

Já arrancou a edição 2017-18 da Volvo Ocean Race e está de volta a Lisboa! 

_DSC7026.jpg_DSC7039.jpg

Depois de terem feito o prólogo de Lisboa até Alicante, as 7 equipas que integram a Volvo Ocean Race, partiram no dia 22 de Outubro de Alicante para mais uma volta ao Mundo mas desta vez já em modo de corrida. A primeira paragem é a Doca de Pedrouços, em Algés, com chegada prevista no dia 28 de Outubro e onde ficarão até ao dia 5 de Novembro.

Esta 13ª edição será a mais longa de todas, terá paragens em 13 cidades de 5 continentes com um total de 80 mil quilómetros percorridos.

_DSC7038.jpg_DSC7023.jpg

Outra novidade desta edição da Volvo Ocean Race é que está mais Portuguesa. Das 7 embarcações em prova, a embarcação com o nome "Turn the tide on plastic" tem bandeira Portuguesa e duas das embarcações têm 3 portugueses a bordo. As equipas são: AkzoNobel (Países Baixos), Donfeng (China), Mapfre (Espanha), Vestas (Estados Unidos/Dinamarca), Sun Hung Kai (Hong Kong), Clean Seas (Nações Unidas) e Brunel (Países Baixos).

 

A Race Village abre as portas dia 31 de Outubro até 5 de Novembro, na Doca de Pedrouços em Algés, a entrada é gratuita e podem ficar a conhecer melhor as equipas, conhecer o dia-a-dia dos velejadores em alto mar, conhecer o modo de funcionamento destes barcos super tecnológicos e assistir a concertos e espectáculos. No dia 3 haverá uma corrida no Rio Tejo que se pode acompanhar nas margens ou nas diversas embarcações que irão balizar o percurso.

_DSC7025.jpg_DSC7040.jpg_DSC7048.jpg

No site oficial, podem acompanhar a corrida e a posição das equipas em tempo real, deixamos os links em baixo.

As fotos são da edição 2014-15 que também passou por Lisboa e onde, além das exposições, pudemos assistir a um espectáculo de freestyle.

_DSC7070.jpg_DSC7080.jpg_DSC7090.jpg

Bons passeios!

 

Site Global

Site Volvo Ocean Race Lisbon

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Parque Linear Ribeirinho do Estuário do Tejo

por Os bloggers, em 23.10.17

Num dos últimos fins de semana, apetecia-nos passear junto ao Tejo mas ao mesmo tempo queríamos "descobrir" algo novo.

Numa pesquisa rápida no Instagram na tentativa de encontrar algo, repáramos numas fotos de uns passadiços ao longo do Tejo que ficavam na zona da Póvoa de Santa Iria. Após mais algumas pesquisas, descobrimos que se tratava do Parque Linear Ribeirinho do Estuário do Tejo.

DSC02359.jpgDSC02361.jpgDSC02412.jpg

Este parque nasceu da requalificação da Frente Ribeirinha da Zona sul do Concelho de Vila Franca de Xira, conta com uma área de 15 hectares e cerca de 6 km de trilhos pedonais e ciclovias. Existe também um Centro de Interpretação Ambiental e da Paisagem que se situa na Praia dos Pescadores com a finalidade de acolher, informar e esclarecer os visitantes sobre a avifauna e flora do Parque. Na Praia dos Pescadores existe também uma cafetaria, um campo de vólei, local para a prática de pesca desportiva e um parque de merendas.

DSC02396.jpgDSC02366.jpgDSC02377.jpg

Este projecto tem recebido vários prémios internacionais, em 2014 ganhou uma Menção Honrosa na categoria Cidades Sustentáveis no Green Projects Award, em 2015 conquistou o 1.º prémio na categoria "Landscape and Public Spaces" nos Archmarathon Awards e em 2016 conquistou o 1º prémio na categoria "Landscape" nos Wan Awards.

DSC02394.jpgDSC02367.jpg

Pela afluência de pessoas que testemunhámos na nossa visita, este local não conquistou apenas os júris destes concursos, mas também a população dos arredores.

 

Os trilhos pedonais e cicláveis são 5. O Trilho do Forte da Casa com 1300 metros, o Trilho da Póvoa com 630 metros, o Trilho do Tejo com 730 metros, o Trilho da Verdelha com 1915 metros e o Trilho da Estação com 1500 metros.

Nesta primeira visita só fizemos o Trilho do Tejo, ida e volta com partida e chegada na Praia dos Pescadores. Neste trilho, na extermidade oposta à Praia dos Pescadores, situa-se um Observatório de aves.

DSC02395.jpgDSC02369.jpgDSC02371.jpg

 

De seguida, fomos visitar o Cais da Póvoa de Santa Iria, sendo possível fazer o percurso a pé deste ponto até ao cais.

O Cais da Póvoa de Santa Iria é um cais palafítico com origem no Séc. XIX que é utilizado pelos pescadores avieiros. Também toda esta zona sofreu obras de remodelação e é composta pelo Núcleo Museológico “A Póvoa e o Rio”, cafetaria, arrecadações e o cais de apoio à pesca.

DSC02345.jpg

DSC02352.jpgDSC02348.jpgDSC02353.jpg

Durante o nosso passeio vimos a passar no Tejo o Barco Varino "Liberdade" da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira que efectua passeios pelo rio Tejo. Podem consultar o calendário de passeios aqui.

DSC02340.jpg

Este Parque foi uma agradável surpresa, mesmo às portas de Lisboa e com uma calma que só visitando se percebe. Nós vamos voltar para fazer os restantes percursos pedestres, ou simplesmente para relaxar no silêncio das margens do Tejo.

DSC02406.jpg

Bons passeios!

 

GPS: 38º 51' 44.21" N, 9º 3' 9.90" W

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:05

Fomos às Francesinhas (no Porto)!

por Os bloggers, em 20.10.17

Uma escapadinha no Porto obriga naturalmente a petiscar uma bela francesinha.

Desta vez fomos experimentar as afamadas francesinhas do Café Santiago F, em frente ao Coliseu do Porto e literalmente a dois passos do nosso hotel. É provavelmente das casas mais conhecidas do Porto, havendo mesmo publicações internacionais de referência que aconselham a visita, nomeadamente o BBC Travel Show e o site theculturetrip.com no artigo "Europe’s Top 10 Local Flavours and Where to Find Them".

IMG_20171003_212616.jpg

Escolhemos a Francesinha Santiago - francesinha da casa que além dos ingredientes da francesinha tradicional, traz salsicha fresca e um ovo estrelado.

A francesinha estava óptima, não vamos dizer que foi a melhor que já comemos porque já comemos outras igualmente boas. Mas o que distingue esta das outras é o pão, levemente torrado que lhe confere uma textura estaladiça e o molho que estava divinal! Outro ponto a favor, a batata frita não é batata pré-frita. Soube mesmo muito bem depois de um dia a caminhar pela cidade! 

IMG_20171003_210129.jpg

Ainda houve espaço para partilhar uma Baba de Camelo. Estava igualmente excelente!

IMG_20171003_213011.jpg

Em suma, concordamos com as opiniões cibernaúticas e de vários amigos, de que as francesinhas do Café Santiago F são efectivamente de grande qualidade. Recomendamos!

Bons apetite!

 

Escapadinha pelo Porto - Parte 1

Escapadinha pelo Porto - Parte 2

Escapadinha pelo Porto - Parte 3

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Cama Emprestada | Moov Hotel Porto Centro

por Os bloggers, em 19.10.17

Na nossa escapadinha pelo Porto ficámos no Moov Hotel Porto Centro.

DSC02422.jpg

O hotel fica muito bem localizado, no centro do Porto, entre o Teatro Nacional de São João e a Igreja de Santo Ildefonso, muito perto do Coliseu e da maioria dos pontos de interesse da Baixa do Porto.

IMG_20171003_161608.jpg

Nasceu num emblemático edifício, onde em 1839 se ergueu a Hospedaria e Café Águia D´Ouro e em 1908 o Cinema Águia D´Ouro - um dos melhores cinemas da época.

Do antigo espaço ficou a bonita fachada em Art Decó, que remonta aos anos 30, e o espírito do cinema na sua decoração interior, de resto o espaço está completamente renovado e moderno.

DSC02792.jpg

Os quartos são em linhas simples, acolhedores e climatizados, decorados em tons suaves, com uma secretária, televisão e casa de banho privativa. O espaço não é muito, mas chega perfeitamente.

DSC02417.jpg

Existe um terraço no pátio interior com mesas e cadeiras, para quem pretender relaxar perto (mas aparentemente longe) da agitação da cidade.

IMG_20171004_120607.jpg

O hotel tem parque de estacionamento privativo (por um custo adicional), o que nos deu imenso jeito.

Trata-se de um hotel com uma excelente relação qualidade / preço, analisando a oferta da zona. Cada noite no hotel ficou por 62 euros e o parqueamento 8 euros.

Há a possibilidade de tomar pequeno-almoço no local, mas não escolhemos essa opção.

Apesar das poucas estrelas ficámos muito surpreendidos pela positiva, a nossa pesquisa pela web não nos enganou!

É sem dúvida um excelente hotel para quem pretende visitar a Baixa do Porto.

 

Boas escapadinhas!

 

Escapadinha pelo Porto - Parte 1

Escapadinha pelo Porto - Parte 2

Escapadinha pelo Porto - Parte 3

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Escapadinha pelo Porto - Parte 3

por Os bloggers, em 18.10.17

Como não há duas sem três (em bom Português), aqui fica a terceira e última parte da nossa escapadinha pelo Porto.

Depois de desvendarmos as nossas descobertas pela Baixa do Porto e na Ribeira (Parte 1 e Parte 2), aqui fica o restante roteiro que fizemos, desta vez fora do coração da cidade.

DSC02552.jpg

 

- Parque de Serralves: como referido no próprio site de Serralves "O Parque de Serralves tem 18 hectares e é composto por uma grande diversidade de magníficos espaços harmoniosamente interligados: jardins formais, matas e uma quinta tradicional. Projetado pelo arquiteto Jacques Gréber nos anos 30 do século XX, é uma referência singular no património da paisagem em Portugal." Estamos inteiramente de acordo! O nosso passeio pelo Jardim de Serralves durou cerca de 2 horas e foi muito agradável e relaxante. O valor da entrada no Parque é de 5 euros.

DSC02982.jpgDSC03043.jpgDSC03028.jpgDSC03020.jpgDSC03001.jpgDSC02977.jpgDSC02976.jpg

 

- Jardins do Palácio de Cristal: localizam-se no centro do Porto e foram projectados por Emil David no século XIX, no âmbito da construção do próprio edifício do Palácio de Cristal, em estilo romântico e com umas vistas fantásticas sobre o próprio Porto, o Douro e Gaia. Do projecto original conservam-se ainda hoje o Jardim Emil David na entrada, as Avenidas das Tílias e dos Plátanos, o bosque e as varandas sobre o Douro. Estes jardins são uma verdadeiro pulmão de ar fresco na cidade. A entrada nos Jardins é gratuita. 

DSC03062.jpgDSC03067.jpgDSC03071.jpgDSC03090.jpgDSC03094.jpg

 

- Foz do Porto: é na Foz do Porto que se localizam as praias e elegantes moradias. A vista é desafogada e os passeios à beira-mar relaxantes. Vale a pena fazer a Marginal Oceânica da Foz do Porto até ao Terminal de Cruzeiros de Leixões, além de uma vista soberba existem alguns Fortes para visitar.

DSC02955.jpgDSC02948.jpgDSC02970.jpgDSC02975.jpg

 

Soube bem a escapadinha pelo Porto. Passámos a conhecer melhor a segunda maior cidade de Portugal, onde até agora só tínhamos ido de fugida ou de passagem, sem nos demorarmos para um passeio mais prolongado. A visita à cidade é agradável e muito enriquecedora! Apenas lamentamos as muitas (demasiadas) gruas que enchem a cidade, mas acreditamos que sejam temporárias.

 

Bons passeios!

 

Escapadinha pelo Porto - Parte 1

Escapadinha pelo Porto - Parte 2 

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Um mês...

por Os bloggers, em 16.10.17

No dia 18 de Março ela disse sim...

DSC08499.jpg

 

E faz hoje um mês que dissemos os dois sim!

DSC01141.JPG

 

"És tu a Primavera que eu esperava,

A vida multiplicada e brilhante,

Em que é pleno e perfeito cada instante."

 

(Sophia de Mello Breyner Andersen)

 

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:45


Mais sobre mim

foto do autor


Sigam-nos


O melhor blog do mundo


Instagram




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Links

  •  



  • subscrever feeds


    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.